Home » Área Médica » Dia Nacional de Combate ao Câncer reforça importância da conscientização

Dia Nacional de Combate ao Câncer reforça importância da conscientização

Zoom

A+ A A-

Facebook

Twitter

Google Plus


Data é lembrada em 27 de novembro; Saiba o que é e como atua a doença.

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos/Imagem: Biosom.

Em 27 de novembro é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer. A data foi instituída por meio da portaria no 707, de dezembro de 1988, do Ministério da Saúde, e tem como objetivo mobilizar a população quanto aos aspectos educativos e sociais no controle da doença.

O que é o câncer?

De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, com a possibilidade de espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.

Ao dividirem-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, o que determina a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.

Os diferentes tipos de câncer correspondem, segundo ao Inca, aos vários tipos de células do corpo. Por exemplo, existem diversos tipos de câncer de pele porque a pele é formada de mais de um tipo de célula. Se o câncer tem início em tecidos epiteliais como pele ou mucosas ele é denominado carcinoma. Se começa em tecidos conjuntivos como osso, músculo ou cartilagem é chamado de sarcoma.

Outras características que diferenciam os diversos tipos de câncer entre si são a velocidade de multiplicação das células e a capacidade de invadir tecidos e órgãos vizinhos ou distantes (metástases).

O que causa o câncer?

Você sabia que as causas de câncer costumam ser variadas e podem ser externas ou internas ao organismo, estando ambas inter-relacionadas? As motivações externas relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. Esses fatores causais podem interagir de várias formas, o que aumenta a probabilidade de transformações malignas nas células normais.

Saiba também

Os fatores ambientais estão associados de 80% a 90% dos cânceres. Alguns deles são bem conhecidos: o cigarro pode causar câncer de pulmão, a exposição excessiva ao sol pode causar câncer de pele, e alguns vírus podem causar leucemia. Outros estão em estudo, como alguns componentes dos alimentos que ingerimos, e muitos são ainda completamente desconhecidos.

O envelhecimento traz mudanças nas células que aumentam a sua suscetibilidade à transformação maligna. Isso, somado ao fato de as células das pessoas idosas terem sido expostas por mais tempo aos diferentes fatores de risco para câncer, explica em parte o porquê de o câncer ser mais frequente nesses indivíduos. Os fatores de risco ambientais de câncer são denominados cancerígenos ou carcinógenos. Esses fatores atuam alterando a estrutura genética (DNA) das células.

O surgimento do câncer depende da intensidade e duração da exposição das células aos agentes causadores de câncer.

Fatores de risco

As mudanças provocadas no meio ambiente pelo próprio homem, os ‘hábitos’ e o ‘estilo de vida’ adotados pelas pessoas, podem determinar diferentes tipos de câncer.

Tabagismo
Hábitos Alimentares
Alcoolismo
Hábitos Sexuais

Medicamentos
Fatores Ocupacionais
Radiação solar
Hereditariedade

Apesar de o fator genético exercer um importante papel na oncogênese, são raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários, familiares e étnicos. Um exemplo são os indivíduos portadores de retinoblastoma que, em 10% dos casos, apresentam história familiar deste tumor.

Para saber mais sobre o tema, acesse o site do Inca: www.inca.gov.br

Comentários